As versões e as contradições de Pazuello na CPI – parte 1 I AO PONTO

Como já se previa, o ex-ministro Eduardo Pazuello foi de terno e gravata, e não com o uniforme do Exército, para a CPI da Covid. Mas deixou claro, logo no início seu depoimento, que passou nove meses no Ministério da Saúde para cumprir uma missão dada pelo presidente Jair Bolsonaro. Uma vez no cargo, no entanto, segundo a versão do ex-ministro, o presidente já não apitava em mais nada. Nem na política de compra de vacinas, nem na orientação – ou na falta dela – sobre o distanciamento social, nem na indução ao uso do chamado tratamento precoce, sem amparo científico. Se por um lado o ex-ministro retirava de Bolsonaro a responsabilidade sobre qualquer ato do ministério da Saúde na pandemia, por outro, se esquivava da sua própria responsabilidade. Por vezes mentiu, em temas sensíveis, como a falta de oxigênio em Manaus e a adoção de uma plataforma oficial que recomendava o uso da cloroquina, chamada de TrateCovid. Foi assim que Pazuello enfrentou a primeira parte de seu depoimento CPI da Covid. A oitiva foi interrompida de forma inesperada, depois que o senador Otto Alencar afirmou que o general se sentiu mal durante o intervalo da sessão. No Ao Ponto desta quinta-feira, as repórteres Natalia Portinari e Julia Lindner, contam os detalhes da primeira etapa do depoimento do ex-ministro da Saúde e o que se pode esperar da sessão desta quinta-feira.

Spotify (https://spoti.fi/2LWcVDG)
iTunes (https://apple.co/2LUj2IJ)

ASSINE O GLOBO: http://assineoglobo.globo.com/
INSCREVA-SE NO CANAL: http://bit.ly/2BQvqB4

O SITE: https://www.oglobo.globo.com
O FACEBOOK: https://www.facebook.com/jornaloglobo
O TWITTER: https://twitter.com/jornaloglobo

You May Also Like